Quem foi Abraão na Bíblia? Quantas vezes nos perguntamos qual a origem da propagação da confiança em um único Deus.

Em meio a tantas religiões politeístas que, muitas vezes, se apoiavam em “deuses” externos, quem percebeu que existia um ser poderoso que mora em nós?

As Escrituras Sagradas, é repleta de personagens que nos ensinam muito sobre ter fé e obediência a Deus. Entre esses personagens, este se destaca como uma figura icônica e inspiradora. 

Por isso, neste artigo, conheceremos quem foi Abraão, sua história e algumas lições que podemos aprender com sua vida. 

Então, continue lendo para conhecer 7 Fatos interessantes sobre o pai da fé, Abraão.

O mundo de Abraão

O mundo de Abraão estava marcado por um afastamento da humanidade em relação a Deus. Quando Deus criou o homem à Sua imagem, a intenção era que o homem representasse a divindade na terra. No entanto, ao tempo de Abraão, a humanidade tinha se desviado desse propósito. O dilúvio global, que poupou apenas oito pessoas, é um testemunho do afastamento da humanidade de Deus. Esse distanciamento também é ilustrado na narrativa da Torre de Babel, onde as pessoas tentaram se elevar acima de Deus e criar uma torre para si mesmas.

É nesse contexto que Deus inicia a próxima fase de Seu plano de salvação ao chamar Abrão (que depois se tornaria Abraão). Deus escolhe Abrão para deixar sua cidade natal, Ur, e embarcar em uma jornada rumo a uma nova terra, que Deus lhe revelaria posteriormente. Isso é registrado em Gênesis 12:1-3 e também mencionado em Atos 7:2-4.

Inicialmente chamado de “Abrão”, cujo significado é “o pai é exaltado”, seu nome foi mudado para “Abraão”, que significa “pai de uma multidão”, quando Deus estabeleceu uma aliança especial com ele, conforme narrado em Gênesis 17. Deus prometeu a Abraão que ele se tornaria o pai de muitas nações, apesar das circunstâncias aparentemente impossíveis. Abraão e sua esposa, que já estavam avançados em idade, receberiam um filho. A fé de Abraão brilhou ao confiar em Deus, apesar da improbabilidade biológica, demonstrando a crença de que Deus cumpriria Suas promessas.

Quem foi Abraão?

Abrão é o décimo descendente de Sem, no capítulo 11:10-32, encontramos que este gerou Arfaxade dois anos depois do dilúvio. Pela contagem, é possível que Abrão tenha nascido quase trezentos anos após a inundação.

Outra informação que temos de sua origem é que ele era de Ur dos caldeus – uma cidade da Mesopotâmia – de onde saíram para habitar na terra de Canaã, em Harã. 

A história de Abraão

Deus chamou Abrão para deixar sua terra natal e ir para uma terra que Ele mostraria. Em obediência, ele partiu com sua esposa Sarai e seu sobrinho Ló (Gênesis 12:1-4).

Em Gênesis 17:1-7, encontramos ainda que o Senhor mudou seus nomes para Abraão e Sara, simbolizando a aliança entre eles e Deus.

Apesar de sua idade avançada e da esterilidade de Sarai, Deus lhes prometeu um filho. Sabemos que ele era um homem muito rico, e buscava manter relações de amizade com os vizinhos, pois precisava de lugar para pastorear seus rebanhos.

O que mais sabemos sobre o pai da fé

Muitas vezes apontamos este personagem como alguém com uma fé perfeita, porém, ao examinar o livro de Gênesis podemos encontrar momentos que ele falhou quando:

  • No Egito ele mentiu que sua esposa era apenas sua irmã para que os egípcios lhe preservassem a vida.  (Gn 12: 11-13)
  • Deus precisou reforçar a promessa e a fé quando passou o tempo e ele não teve filhos. (Gn 15: 2-6)
  • Ele falhou quando cumpriu os códigos legais para a mulher estéril da época e teve um filho com Agar. (Gn 16: 1-2)
  • Não foi muito justo quando deixou sua esposa expulsar Agar sem tentar conciliar o conflito. (Gn 16: 6-14 e 21:10-20)
  • Mentiu novamente em relação à Sara. (Gn 20:2)

Essas passagens nos mostram os conflitos que podemos passar quando nossa fé está em construção, afinal, passaremos por diversas provações ao longo da nossa jornada. 

Foi o que aconteceu com o pai da fé, ele não tinha referências para se guiar, não existiam igrejas ou escrituras para consultar. Na verdade, a sua história foi embasamento para construir a Bíblia que temos hoje.

Abraão creu em Deus quando ofereceu seu filho Isaque

Percebemos no desfecho dessa história que ele passou pela pior provação de sua vida, isto é, entregar a Deus o filho pelo qual esperou por muitos anos. Foi nesse momento terrível que a fé dele se manifesta poderosamente. 

Precisamos compreender, no entanto, que, naquele tempo em volta dele, era comum as pessoas sacrificarem crianças aos seus deuses.

Por isso, ele não estranhou, mas creu a partir do milagre de se tornar pai sendo já avançado na idade que Deus cumpriria sua promessa, ainda que seu filho estivesse morto. (Gn 22: 1-14)

Aqui estão 7 Fatos interessantes sobre Abraão

7 Fatos interessantes sobre Abraão

1. Abraão já era idoso quando Deus o chamou

é provável que você tenha aprendido que Deus prometeu um filho a Abraão quando ele já era idoso. No entanto, mesmo antes de iniciar sua jornada com o Deus verdadeiro, Abraão já era considerado um homem idoso.

Quando Abraão, então conhecido como Abrão, tinha 75 anos, ele residia em Harã. Foi nesse momento que Deus se manifestou a ele e o convocou para uma nova fase. Mesmo naquela época, em que a expectativa de vida era significativamente mais longa do que nos dias atuais, 75 anos ainda representava um período considerável para adaptar-se a novas circunstâncias. No entanto, Deus o convidou para estabelecer um relacionamento renovado com seu Criador e para abraçar uma perspectiva de vida completamente diferente.

Somente 25 anos depois, quando Abrão já estava ainda mais avançado em idade, ele e sua esposa Sara finalmente receberam o presente de Isaque. Essa história serve como um poderoso lembrete de que nunca é tarde demais para se submeter ao plano que Deus tem para a sua vida!

2. Abraão viveu na Mesopotâmia, uma das primeiras civilizações do mundo

Os registros nos informam que Abrão originou-se de Ur, uma cidade situada na região da Mesopotâmia. Esta região é reconhecida como a fundadora da primeira civilização documentada no mundo e, de acordo com descobertas arqueológicas, Ur constituía um centro urbano crucial e um importante porto às margens do Golfo Pérsico.

Foi precisamente dessa cidade costeira que Deus convocou Abrão. Tendo vivido em uma metrópole agitada à beira-mar, a transição para uma vida nômade deve ter representado uma mudança de proporções significativas para Abrão.

3. Abrão teve sua criação sob os cuidados de pais que seguiam práticas idolátricas

A possibilidade existe de que o chamado de Abrão para deixar sua vida na cidade tivesse o propósito de afastá-lo das influências negativas de sua casa. O livro de Josué, capítulo 24, versículo 2, relata que o pai de Abrão era adorador de ídolos, o que sugere que a idolatria provavelmente era uma parte intrínseca da sua família. A decisão de abandonar a casa de seu pai implicava renunciar a tudo o que lhe era familiar, incluindo sua crença religiosa.

O novo Deus, Yahweh, possivelmente apresentou-se como um enigma, já que optou por se comunicar diretamente com Abrão, em contraste com os falsos ídolos da juventude de Abrão, que eram concebidos como divindades distantes, sem uma conexão pessoal. Essa discrepância pode ter desempenhado um papel crucial na escolha de Abrão de seguir a orientação de Deus.

4. As mentiras de Abraão sobre Sara ser sua irmã não eram exatamente mentiras

É inevitável que em um casamento, ocorram equívocos quando duas pessoas se unem em uma só. Abraão cometeu alguns erros significativos e, aparentemente, não aprendeu com eles. Durante suas jornadas, Abraão comunicou a dois reis diferentes que sua esposa, Sara, era, na verdade, sua irmã, numa tentativa de evitar complicações. (Pode-se dizer que isso o colocou em uma situação complicada!) Por sorte, os dois reis eventualmente descobriram a verdade e devolveram Sara ao marido.

Contudo, é válido questionar se Abraão estava realmente enganando. Gênesis 20:12 relata que, após ser desmascarado, Abraão explicou ao rei Abimeleque que Sara era filha de seu pai, mas não de sua mãe. Seria isso um problema? Não necessariamente. As leis mosaicas que mais tarde regulamentariam os casamentos entre parentes só seriam estabelecidas cerca de 500 anos depois. Além disso, na Bíblia, termos como “irmã” e “irmão” eram empregados de maneira mais ampla, podendo se referir tanto a parentes mais distantes quanto a irmãos de sangue.

5. Abraão era um dos descendentes de Noé na décima geração

Na época de Noé, o dilúvio dizimou todas as outras linhagens humanas, resultando em todas as pessoas da Terra sendo descendentes diretos de Noé e sua família. Abraão não era uma exceção a essa regra. Noé teve três filhos: Sem, Cão e Jafé.

A linhagem de Abraão pertencia à descendência de Sem e estava conectada a Noé por meio de dez gerações. Três gerações posteriores a Abraão, seu neto Jacó e suas esposas tiveram doze filhos, que posteriormente se tornaram os líderes das doze tribos de Israel.

6. Abraão desempenhou um papel fundamental na terra prometida, mas não a possuiu

Quando Deus inicialmente prometeu a Abrão, Ele o instruiu a deixar a casa de seu pai e partir para uma terra desconhecida. Abrão exibiu uma fé exemplar ao obedecer a Deus e embarcar nessa jornada, porém, durante sua vida, não testemunhou a realização plena dessa promessa. Na realidade, Abraão viveu uma vida nômade, percorrendo diferentes lugares constantemente.

Seu único pedaço de terra consistia em um cemitério, uma caverna situada em um campo que Abraão adquiriu dos hititas. Essa aquisição foi feita com o propósito de ter um local para sepultar sua esposa Sara após seu falecimento. Este cemitério acabou funcionando simbolicamente como uma representação da terra prometida que eventualmente seria conquistada por Josué e seu povo.

7. Isaque e Ismael tinham seis meio-irmãos

Após o falecimento de Sara, que ocorreu quando ela tinha 127 anos, Abraão entrou em um novo casamento com Quetura. Desta união, nasceram seis filhos: Zimran, Jokshan, Medan, Midian, Ishbak e Shuah (conforme registrado em Gênesis 25:1–2). Quando Abraão veio a falecer, tanto Isaque quanto Ismael participaram do ato de sepultamento do pai, enterrando-o ao lado de Sara.

Por que Deus pediu a Abraão que sacrificasse Isaque?

O pedido de Deus para que Abraão sacrificasse Isaque é uma história profundamente simbólica e cheia de significado espiritual.

A primeira coisa a entender é que o objetivo de Deus não era que Isaque realmente fosse sacrificado, mas sim testar a fé e a obediência de Abraão. Deus queria mostrar a Abraão a profundidade de sua confiança e submissão. Abraão tinha esperado por muitos anos pelo filho prometido, Isaque, e Deus estava testando se Abraão estava disposto a entregar a coisa mais valiosa de sua vida, demonstrando assim sua dedicação a Deus acima de tudo.

A história também carrega uma significância profética. Ela prefigura o sacrifício de Jesus Cristo. Assim como Abraão estava disposto a oferecer seu filho Isaque, Deus, em última instância, ofereceu Seu próprio Filho, Jesus, como sacrifício pelos pecados da humanidade. Essa história de Abraão e Isaque pode ser vista como uma sombra ou imagem do sacrifício que Deus faria através de Jesus para proporcionar a salvação.

Além disso, a história revela a provisão de Deus. Quando Abraão estava prestes a sacrificar Isaque, Deus providenciou um carneiro para ser oferecido como sacrifício em vez de Isaque. Abraão chamou aquele lugar de “O Senhor Proverá”. Isso reflete a ideia de que Deus sempre proverá uma saída, uma solução ou um caminho quando enfrentamos situações desafiadoras.

Em resumo, o pedido de Deus para Abraão sacrificar Isaque foi um teste de fé, uma prefiguração do sacrifício de Jesus Cristo e um lembrete da provisão divina. A história nos lembra da importância da confiança, da obediência e da crença de que Deus sempre proverá para nós.

Algumas lições que podemos aprender com este personagem

Esse patriarca é uma figura de grande importância por servir de referência devido à sua confiança em Deus e sua disposição para obedecer. (Romanos 4:3)

Além disso, seus ancestrais, os hebreus e os árabes, o reverenciam, sendo, portanto, um ponto de união entre esses dois povos. 

Sem contar que, sua descendência inclui grandes líderes bíblicos, como Moisés e Davi, além de Jesus Cristo, que veio ao mundo como um descendente dele (Mateus 1:1-2).

A vida dele nos ensina muitas lições valiosas como:

  • Importância de confiar em Deus mesmo diante de circunstâncias desafiadoras;
  • Obedecer a Deus, mesmo quando não compreendemos completamente seus planos;
  • Disposição para sacrificar nossos desejos em prol da vontade divina.

Conhecer quem foi Abraão nos ajuda a compreender que podemos construir nossa fé e um bom relacionamento com Deus apesar do medo e da dúvida.

Gostou de conhecer quem foi Abraão? Então deixe seu comentário abaixo.

Sobre o Autor

Josiane Silva
Josiane Silva

Olá, eu sou a Josiane Silva, mãe, avó e procuro servir a Deus. Amo estudar a bíblia para compreender o comportamento humano. Afinal podemos aprender muito com as histórias dos outros, não é mesmo? Como gosto muito de ler e de escrever, também trabalho como redatora freelancer.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.